terça-feira, 11 de fevereiro de 2014





Tempos atrás eu escrevi aqui sobre Deísmo. O que mudou desde então é que eu parei de rezar de uma vez por todas. Antes, como dito no tal post, rezava porque me sentia OK com isso, porque me sentia grato e nunca para pedir o que fosse, mas tinha a impressão de que Deus não liga se você reza ou não.

Essa impressão se tornou certeza com o passar do tempo e eu deixei de rezar desde novembro de 2013 (acho).

Segundo o que eu entendo por Deus, ele é um cara muito ocupado para cuidar de assuntos pequenos como a sua promoção ou o seu carro. Pra mim, ele criou o Universo e tem de gerenciar a coisa toda. Para a maioria dos religiosos, no entanto, a Terra é o Centro do Universo, único lugar com vida e Deus fez sua obra-prima aqui, ficando tão empolgado com ela que cuida exclusivamente da humanidade. Tudo o que Deus faz é para que a humanidade viva bem, condenando para sempre no pior lugar possível quem não aceitá-Lo.

Acho que isso acontece porque o ser humano se acha. Dizer que somos o máximo, a maior obra da criação, é ridículo.

Acredito que Deus é grande demais para que alguém possa dizer como ele é. Ele deve ser completamente alienígena. A humanidade costuma criar imagens de deuses antropomórficos porque é confortável pra ela, mas se está por todas as partes ao mesmo tempo não pode sequer ter braços e pernas. Questão de lógica.

Mas como para demonstrar alguma coisa temos de simplificar, vamos comparar Deus com um Diretor.

Deus não atenderá uma reza qualquer. Isso seria como o diretor ir varrer um piso. Outro tem de ir lá fazer isso e não deve sequer ser cogitado que o Diretor vá se envolver. O trabalho do Diretor é dirigir. Supondo ainda que Deus tem diversos agentes – anjos ou espíritos ou sei lá – esses agentes devem ter níveis hierárquicos, daí que nem todos eles irão atender qualquer coisa.

Agora suponha que eu estou pedindo algo através de reza. O Diretor só iria se envolver se fosse algo que atrapalhasse ou beneficiasse a empresa como um todo e não uma única pessoa – em uma empresa ótima, sem falcatruas ou coleguismos – de maneira que pedir para seu filho não morrer não seria atendido por Deus, pois não atrapalharia o funcionamento do Universo. Na verdade, o Universo é tão vasto que se a Terra sumisse não atrapalharia a ordem das coisas.

Mas quem é religioso, como dito antes, acha que a Terra é o Centro do universo, daí que sou atacado se digo isso. Tenta-se justificar isso, a reza, de várias formas. A principal é que os agentes de Deus iriam atender essas rezas.

Os católicos tem santos e anjos por isso, mesmo assim rezam para Deus. Muitas vezes por medo do que Deus possa fazer com eles. Se não acredita em mim faça um teste. Chegue num cristão e fale algo contra Deus: se for um cara “simples”, vai dizer algo como “depois não sabe porque as coisas não dão certo na sua vida” ou “depois cai e quebra a perna e não sabe o porque”.

Os evangélicos adotam uma abordagem diferente e pedem pra Jesus, mas eles entendem que Jesus é Um com Deus, o que significa dizer que é um Subdiretor.

Se as regras da empresa dizem que você só pode ter as coisas – promoção e bônus – por merecimento, pedir para o Diretor, o Subdiretor ou assessores não adiantará nada. O que adiantaria é ser o que o Diretor quer e assim garantir uma promoção.

Daí se o seu pai está morrendo e ele é o que o Diretor quer, deve ter uma promoção. Se ele não é não terá. Você rezar não muda a opinião de Deus bem como outro funcionário de nível parecido ir falar bem ou mal não influenciará um Diretor que conhece muito bem o seu trabalho.

Perceba que eu estou falando de cristãos porque são maioria, mas isso se aplica a maior parte das religiões. A maior parte dos religioso, aliás, acredita que suas crenças estão certas e as dos outros erradas, o que garante a danação eterna para todos, menos os fiéis, crentes, devotos... os outros têm inclusive um termo distintivo que pode também ser pejorativo, tal como gentio, infiel ou secular.

O caso é que todas essas pessoas têm em comum muitas coisas. Quem não tem religião vê melhor esse tipo de coisa, mas eu, que tentei ativamente seguir uma delas e olhei todas que eu pude, percebo que é quase tudo a mesma coisa.

Por seguir o deísmo fiquei meio isolado e é bem comum as pessoas simplesmente não aceitarem o que eu digo, se baseando na crença geral de que rezar ajuda. Pra mim, rezar só ajuda como apoio psicológico e se você acredita, porque se Deus é justo, ele não vai te dar algo que você não merece só porque você ou outra pessoa pediu muito.

Recentemente tive um exemplo bem claro disso. Um parente ficou muito doente e as pessoas diziam coisas como “entrega pra Deus” ou “vamos rezar que sobreviva”. No hospital veio gente rezar por todos e entendo que estavam fazendo o que acreditavam certo, sem atrapalhar ninguém nem demorar muito, mas houve gente que me disse para mandar rezar uma missa, mesmo sabendo que não creio nisso.

O deísmo não foi propriamente escolhido, pois foi algo que eu sempre fui. É deísta que é questionador e que acredita que Deus está por aí em algum lugar fazendo alguma coisa. Não posso aceitar religião alguma porque eles têm dogmas – ainda que algumas não reconheçam seus dogmas – e contradições. Não posso ser ateu porque o Universo é certinho demais para ser obra do acaso... e não creio no acaso. O acaso tem regras que não vemos e as regras para tudo no Universo foram criadas e são mantidas por Deus. Esse é o Deus que eu creio.

Só que aí ser deísta é ser fundamentalmente ser solitário.

Não há uma organização central no deísmo, daí cada um faz “seu próprio deísmo”. Religiosos, ateus e agnósticos não aceitam meu ponto de vida. Os religiosos acreditam que no dia em que eu estiver desesperado vou me voltar para Deus e todos seus anjos e implorar por uma solução. Os ateus acham que eu só não abandono Deus por medo ou burrice da gorda. Os agnósticos, você sabe, acham que não dá pra provar o metafísico, então não se deve discutir o metafísico. Tipo o Clube da Luta.

Porra, se eu não discutir algo já estou errado. A filosofia nasceu daí. Antes de se provar qualquer coisa que seja o homem discutiu até descobrir uma forma de provar ou negar a coisa. Às vezes, depois de provado ou negado algo, o homem continua a discussão e daí a afirmação anterior é negada.

Ser deísta é como ser bissexual: nem heteros, nem homos aceitam você como você é. É como ser um ornitorrinco, que é mamífero e não tem mamas, que não é pássaro mas tem bico e põe ovos, que é o único peludo peçonhento, mas que ainda assim compartilha mais de 80% do genoma com o ser humano.

Então sim, devo ser respeitado como ser humano. Procuro respeitar os outros. Se estiver errado sobre Deus e religião só quem vai se dar mal sou eu e ninguém tem nada a ver com isso, mas recentemente fui atacado por uma evangélica – mulher de pastor – lá da Europa, certamente pelo meu posicionamento não religioso.

Cara, fiquei tão chateado que pensei seriamente em fazer um post só atacando evangélicos, mostrando por exemplos coisas como Zombie Jesus, mas tenho muitos amigos evangélicos que não são idiotas e não merecem isso.

O que realmente me chateia nesse tipo de gente é que atacam não só a mim, mas a toda uma classe de pessoas. Não posso fazer o mesmo porque sei que aí estarei ferindo muita gente inocente. Acho um erro “entregar nas mãos de Deus” o que quer que seja, mas não acho errada a opção por uma religião se é o que a pessoa sente que tem de fazer.

É errado querer impor isso para quem quer que seja. É errado tentar nivelar a todos como salvos ou condenados. O que conta tem de ser o que se faz no dia a dia.

Eu não rezo mais por isso. Não sinto necessidade, não vejo respostas, não acho que Deus vá cuidar de você se você não se ajuda. Também influenciou nisso, certamente, gente que não presta e está lá rezando todos os dias.

2 comentários:

Andreza Maciel disse...

Amigo se assim posso ainda chama-lo, me perdoe se te magoei ou se te ataquei como disse, mas acho que sua forma de atacar acrenca das pessoas nao vai resolver e nem te ajudar, quando estamos insatisfeito atacamos a Deus, queremos uma posição eu tive um amigo que morreu, ele nao bebia nem refrigerante um dia ele casou e teve dois lindo menino em suas dificuldades da sua vida ele viu o que Deus fez atraves daqueles que realmente acreditava em Deus, a ajudalo a pagar sua divida que pra ele passaria muito tempo pra quitar, depois de algum tempo sua mulher p trai e ele se isola ese revolta com a vida e adota um sentimento contra Deus, pensou em se matar varias vezes, MAIS A MAIOR MORTE NAO ESTA NO FISICO ESTA NA ALMA, PERDOE SE OFENDIE SUA CRENCA RICARDO!

Nilsandra Silva disse...

Amor, você é simplesmente fantástico e é por isso que eu te amo! Você falou muito bem, coisas que muita gente como nós pensa e gostaria de falar a respeito do fanatismo religioso e da ‘encheção de saco” para conosco que não nos submetemos diante dessa alienação. Vivemos muito bem nossas vidas, na luta diária de melhorar a cada dia, no trabalho, em casa com a família, financeiramente, e conosco mesmo e vamos vencendo batalhas, outras vezes não, mas tudo é com um fim de aprendizado e no final das contas não interessa quem pensa que seremos condenados ao inferno porque não somos de tal religião, ou porque não rezamos ou porque não acreditamos na imagem que a humanidade criou de Deus, isso é um problema só NOSSO!! Vivemos nossa vida sem nos preocupar com a vida dos outros, o que muitos religiosos fazem não sei por qual motivo, já que a "salvação" é individual, então cada um que cuide da sua vida e nos deixe em paz. Somos tão felizes com as oportunidades que a vida nos deu de estarmos juntos, de termos uma família, de passarmos pelas dificuldades e estarmos melhores do que anos atrás. Então dane-se a opinião dos outros, ninguém paga nossas contas e tão pouco sabe o que se passa em nossa vida e nem mesmo dentro de nós. Te amo tanto meu companheiro querido, amo o que temos, nossa vida em comunhão, nossa família, então pra quê ligar pra quem não faz parte e nunca fará dessa nossa realidade???? beijo grande!! Te amo muito!!!